Pôr do sol no Parque da Cidade




O céu que nos envolve


Observação da noite estrelada é fundamental para compreensão de cenas do cotidiano
por Ulisses Capozzoli

Da próxima vez que alguém perguntar quantos anos você tem, pense uns dois segundos antes de responder. O que exatamente seu interlocutor deseja saber? O que ele está perguntando, que você pode responder, eventualmente sem saber é: quantas voltas você já deu em torno do Sol? E isto porque um ano é exatamente o período que a Terra consome para dar uma volta inteira ao redor do Sol.
A extensão da órbita da Terra em torno do Sol é de aproximadamente 900 milhões de km. Isso significa que se você tem, digamos, 30 anos, já viajou 27 bilhões de km em torno de sua estrela-mãe.
Interpretada assim, uma pergunta sem muito sentido, como a idade de alguém, passa a ser interessante e permite colocar a vida de cada um de nós num contexto especial.
Para saber detalhes, por exemplo a velocidade com que se viaja em torno do Sol, basta uma operação de divisão: 900 milhões de quilômetros por 365 dias e quase seis horas e o resultado será de aproximadamente 108 mil km por hora. Isso significa que você viaja em torno do Sol a uma velocidade 120 vezes superior à de um jato comercial, que voa a cerca de 900 km por hora.
Se você quiser ainda mais, leve em conta que uma pessoa caminha 6 km por hora em média e por isso mesmo a velocidade de um jato é 150 vezes superior. Ou seja, a Terra voa em torno de Sol a uma velocidade 18 mil vezes maior que a de uma pessoa caminhando.
Se você nunca havia pensado nisso, 108 mil km por hora podem parecer uma velocidade espantosa. Não temos a sensação de estar parados, com as estrelas aparentemente fixas no céu, noite após noite?
Temos essa sensação porque as estrelas - excetuando o Sol, que está a 8 minutos-luz - estão a enormes distâncias e assim parecem imóveis, apesar de também estarem se deslocando.
Na verdade, a Galáxia inteira, como um polvo luminoso com seus tentáculos distorcidos num movimento de rotação, está toda em movimento. O Sistema Solar está no braço do Órion, um dos tentáculos do polvo-galáxia, a 30 mil anos-luz de sua cabeça de alta densidade estelar e abrigando um enorme e faminto buraco negro.
Quer saber como tudo isso se parece? Lembra-se de alguma vez ter acordado pela manhã e observado um raio de Sol perfurando uma fresta da janela e mostrando um vórtice de poeira em movimento, como um minúsculo tornado? Pois as estrelas da Galáxia se parecem um pouco com esta imagem quase onírica de uma manhã despertada no campo, com algum tempo para refletir sobre a vida, sem ter de se levantar, engolir rapidamente o café de manhã e correr para o trabalho.
Não olhamos mais para o céu, tampouco temos um tempo mínimo para refletir sobre o sentido da vida, e assim deixamos de fazer descobertas que podem mudar profundamente nossos pontos de vista. Podemos passar a vida inteira sem nenhuma dessas experiências, o que não deixa de ser surpreendente, afinal, o céu nos envolve por todos os lados.
Poderíamos falar de uma série de outros movimentos. Um deles é o ápex solar, descoberto pelo astrônomo William Herschel (1738-1822) em 1783. O ápex solar é um ponto para onde se dirige o Sol, levando junto todo seu colar planetário à velocidade de 72 mil km por hora, em direção à constelação de Hércules.
Relações entre pessoas, observações e descobertas são sempre fascinantes, e aqui vamos considerar apenas mais uma delas para sugerir a importância de observar o céu para a compreensão dos mistérios da vida. Neste caso, a relação é a seguinte: boa parte da água disponível na Terra foi trazida por cometas (montanhas de gelo sujo que circulam pelo Sistema Solar).
Se você considerar que 60% da massa de seu corpo é formada por água, deduzirá sem dificuldade que parte de seu corpo já foi cometa no passado.
Surpreendente? Claro. Surpreendente mas real como o dia que nasce. Assim, quando ouvir alguém dizer que somos poeira de estrelas, não duvide. É poético, mas também é real.
Outro dia voltaremos a este assunto. Por hoje a idéia era apenas refletir sobre uma pergunta aparentemente tão banal como quantos anos você tem.

Ulisses Capozzoli Editor de Astronomy Brasil, é jornalista especializado em divulgação científica, mestre e doutor em ciências pela Universidade de São Paulo.
acesso em 22/06/2007 -
http://www2.uol.com.br/sciam/artigos/o_ceu_que_nos_envolve_1.html