Andreas Gursky





"Andreas Gursky é um fotógrafo da era da globalização: desde meados dos anos 80 que seus temas incluem portos e aeroportos, interiores de mercados e asoalhos de fábrica de global players, assim como mostras de objetos fetiche produzidos por grandes marcas da moda. A extensão da sua produção está limitada a dez fotografias por ano. Gursky concentra-se nas imagens individuais que podem ser combinadas em grupos de trabalhos relacionados por temas. As suas fotografias parecem levantar a questão do papel do indivíduo numa integração cultural e econômica mundial. Ele ilustra frequentemente seres humanos como uma massa sob a forma de abstrações ornamentais: em raves, concertos de rock e desafios de boxe. As fotografias de Gursky parece também querer chamar atenção para a própria máquina fotográfica, que consegue captar o individual, enquanto o olho nu há muito tempo que não consegue. Em 1984, quando Gursky tirou uma fotografia de Kalusen Pass (alpes austríacos) não reparou num grupo de caminhantes, que só surgiram na última impressão. No catálogo da sua retrospectiva no New York Museum of Modern Art, a grande variedade de grandes planos de faces e gestos funde-se numa massa homogênea quando observado à distância. Desde os anos 90 que Gursky cria trabalhos em grande formato usando a tecnologia digital e usufruindo de todos os aspectos técnicos disponíveis neste meio. Como resultado, as suas fotografias parecem estar em competição deliberada com as imagens em grande formato da cultura cotidiana assim como os formatos gigantescos da arte monumental. Elas estendem ao mesmo tempo o espectro do modo como as coisas são vistas - desde o grande plano muito pormenorizado até a análise puramente estrutural."

In: Art Now, Taschen.