Damien Hirst






"O perfil de Damien Hirst é o de apresentador, empresário e autopromotor como artista. As suas exposições são elaborados espetáculos em grande escala mais familiares a um museu de ciência ou a um parque temático do que uma galeria. Em 2000, uma exposição intitulada Theories, Models, Methods, Approaches, Assumptions, Resultas and Findings, apresentava um conjunto de 31 esculturas, instalações e trabalhos murais. Ora grandioso e irônico, refere-se aos pesados temas da vida e da morte, doença e ciência, caos e ordem, como anterormente visto em 1991 com a sua escandalosa preservação de um tubarão morto num aquário cheio de formol. A assinatura de Hirst são caixas industriais de aço e vidro, combinações do cubo minimalista e a vitrine forense. A enormidade de escala e a ambição de produção características do trabalho de Hirst estão patentes em trabalhos como Hymm 2000, um torso humano em bronze pintado com seis metros de altura, cuja pele está parcialmente retirada para revelar os seus órgãos internos - uma versão exagerada de um modelo didático de anatomia. Enormes armários de farmácia cheios de filas de comprimidos coloridos expressam a infitina variedade de doenças que afetam o mundo, assim como as tentativas do homem para as dominar (através da madicina). Uma escultura como o mesmo longo título que a exposição, na qual dezenas de bolas de pingue pongue saltitam em duas vitrines, mantidas em movimento através do fluxo de ar produzido por dois ventiladores, é uma meditação alegre sobre o caos e repetição da vida. O existencialismo de Hirst é dirigido a todo o mundo, exprimindo-se através do sentido humor de um estudante e um surrealista sentido de absurdo."

In Art Now. Taschen.